Os vencedores do 21º Prêmio Ministério Público de Jornalismo foram divulgados na última quinta-feira (21), após análise de 58 trabalhos inscritos. Entre os premiados, 13 estudantes de Jornalismo da Faculdade São Francisco de Assis, de diferentes semestres, conquistaram o primeiro lugar na categoria Reportagem Universitária com o documentário “Cotidiano Paralelo – Minha cama é a praça, e a sua?”. A produção audiovisual narra o dia-a-dia de pessoas que vivem nas ruas de Porto Alegre e região metropolitana. O prêmio foi recebido ao lado dos mais prestigiados jornalistas gaúchos.

A escolha do tema não aconteceu por acaso. Segundo Wagner Pedroso de Abreu, estudante do 8º semestre de Jornalismo e diretor do documentário, a vulnerabilidade dos moradores de rua inspirou o grupo a resgatar suas histórias de vida. O estudante também acredita que o tema nem sempre é abordado na grande mídia com a profundidade que a questão merece, fazendo com que ele e seus colegas sentissem a necessidade de desenvolver uma narrativa jornalística sobre essa problemática social.

Além da produção em vídeo também foram desenvolvidas ações de conscientização. Uma das iniciativas foi o perfil @cotidiano_paralelo, que pode ser acessado via Instagram. Conforme Evelyn Lucena, estudante do 5º semestre de Jornalismo, os conteúdos do perfil foram alimentados de modo colaborativo, havendo planejamento e discussão entre os membros da equipe sobre o que seria postado. As mídias sociais prepararam o público para o lançamento, ao mesmo tempo em que serviram como registro e divulgação sobre a situação de vulnerabilidade dessas pessoas, relata a estudante Juliana Barbieri, estudante do 6º semestre de Jornalismo.

Conforme a professora Sarah Moralejo da Costa, que orientou a atividade, o desafio foi desenvolver uma produção que considerasse os fatores externos que atuam em torno da produção jornalística, como as forças de poder, a própria sociedade e a tecnologia. A professora também ressalta que os alunos tiveram total liberdade para criar e desenvolver o documentário.

Para o professor Andres Kalikoske Teixeira, coordenador do Bacharelado em Jornalismo, retratar uma realidade ao mesmo tempo escancarada e invisível aos olhos de grande parte da população exige apuração e sensibilidade jornalística. O professor também acredita que os desafios superados durante a atividade são muito próximos dos percalços encontrados no próprio mercado de trabalho contemporâneo, onde o profissional precisa desenvolver não apenas o conteúdo jornalístico, mas também pensar seu engajamento nas redes, as estratégias de divulgação e, não raramente, planejar o modelo de negócio do conteúdo que será propagado.

Criado em 1998, o Prêmio Jornalismo Ministério Público do Rio Grande do Sul pretende laurear as melhores reportagens veiculadas em qualquer mídia nas áreas de segurança pública, sustentabilidade, proteção social, combate à corrupção, saúde e educação. A categoria Estudantes foi criada em 2013, e desde então tem premiado reportagens publicadas por alunos de faculdades de Jornalismo.

Por ordem alfabética, os alunos contemplados com a premiação foram Bruno Lara da Silva, Cintia Borba dos Santos, Douglas Rodrigues Salvador, Evelyn Lucena Alves, Juliana Barbieri, Laura Pontin de Oliveira, Leandro Júnior Gonçalves Leopoldo, Lucas Matias Barbosa, Tyane Fabiane Leal da Silveira, Vanessa de Oliveira Conceição, Vinicios Brauner Vanoni e Wagner Pedroso de Abreu.

O documentário pode ser acessado no Youtube, a partir do endereço https://youtu.be/ubPs0gbrYH4.

Fale Conosco